quarta-feira, 3 de junho de 2009

Elite ou infantaria?

Pelo meu lado "psicológo" costumo ouvir comentários de vários assuntos, principalmente de relacionamentos, tanto de homens como de mulheres. E me surpreendo com algumas coisas que acontecem e com pessoas que se contentam com tão pouco, que não se dão valor.

Todos os homens tem suas "armas" no jogo da sedução. Só que muitos escolhem as erradas e se satisfazem com isso.

Uma metralhadora seria uma arma indicada numa guerra para abater vários alvos? Sim. Só que um homem que use uma arma dessas não será indicado para missões especiais. Sai atirando, dedo no gatilho e pode acertar alvos, mas dificilmente serão alvos importantes, de qualidade. É a chamada "bucha de canhão". Um homem que sai disparando com o tempo se torna descartável.

Ao contrário, um atirador de elite utiliza armas sofisticadas, é centrado e normalmente tem um alvo fixo. Não se envolve em guerras normais. Só é utilizado em em missões especiais com alvos diferenciados, com menos chance de acertar o alvo. Só que o alvo em questão, se atingido, será significativo.

Não pensem que as mulheres não percebem isso. Um homem que age como um atirador de elite é no minimo respeitado. Elas sabem que você não é mais um. Mesmo que não consiga sucesso "na sua missão", será destacado na multidão. E mesmo o "fracasso" na missão pode ser revertido (não se esqueça que as mulheres conversam entre si). O contrário também acontece. Aquele que sai disparando sem critério também será comentado, mas obviamente, de forma negativa).

Se o importante para você é "não zerar", pode continuar atirando a vontade. Agora se você pensa em alvos fixos, em ser um especialista, prepare-se, porque o trabalho é árduo, mas a recompensa do final, saber que você está com uma mulher que não é para qualquer um, é gratificante demais.

Nenhum comentário:

Postagens populares