quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Não mandamos no coração, mas podemos fazer escolhas.

Sempre dizemos ou ouvimos falar que não podemos mandar nas decisões de nosso coração. Nos apaixonamos por pessoas erradas, gostamos de quem não gosta de nós e deixamos de dar chance para pessoas que gostam de nós, mas que não sentimos nada.

Só que o coração, apesar de importante, não pode ser o senhor da razão, por mais que sejamos ligados aos sentimentos, devemos usar a razão em muitos pontos.

Digo isso porque nos últimos tempos andei conhecendo pessoas que foram especiais para mim, mas que me machucaram ou não fizeram o que espero de uma pessoa que eu queira ao meu lado. Pessoas que pelo meu coração eu poderia estar, mas a razão conflita e faz com que por mais que as vezes doa no coração, eu me mantenha firme na razão e sinta uma dor menor agora do que uma maior e mais profunda na frente.

Da mesma forma, apareceram pessoas que não cheguei a me relacionar (no sentindo homem x mulher) que imaginei que pudessem ser diferentes das demais. Mulheres com personalidade, com conteúdo e não apenas embalagens vazias. Posso garantir, foram poucas. Mas cada uma a sua forma me afastou, procurando apenas manter a minha amizade, por N motivos.

Sou um homem romântico, valorizo muitas atitudes, muitas ações e cada vez mais me conheço e sei o que posso proporcionar para minha parceira, minha amada. Justamente por saber disso sei o que procuro em uma mulher. Sou um homem tímido e o trabalho como professor de dança me obriga a ter uma postura em certos pontos mais conservadora, para evitar confundir as coisas, prejudicar meu trabalho, passar a impressão de conquistador, galinha, mulherengo, enfim, a palavra que acharem melhor definir.

Por conta disso deixo que as coisas rolem naturalmente e claro, me vejo na situação de sentir que a mulher também quer algo a mais. Se não sinto que ela está a fim, que é algo só do meu lado, me afasto, para não me tornar chato e também para me proteger, evitando uma paixão platônica, até porque é difícil demais amar sozinho.

E também procuro uma pessoa que demonstre o que quer, que demonstre que me quer. Não sou igual a tantos outros que existem por aí e por conta disso quero esse tratamento diferenciado. Sinto falta de uma relação, de um namoro, com toda certeza. Até porque estou entrando em um ponto da minha vida onde devo construir a minha vida individual (longe da família) e me vejo fazendo isso ao lado de alguém. Construir minha família.

Não sei o que vai acontecer, nem quando vai acontecer. Quero apenas dar chance a alguém que mereça. Pode vir a ser uma pessoa do passado, alguém por quem tenho carinho e que mostre que mudou. Alguém que mostre que merece ficar comigo, que merece mais uma chance, alguém que hoje é só amiga ou alguém que ainda está por vir.

Não será fácil, de ambos os lados. Mas é algo que quando acontecer será difícil de comparar com qualquer outra coisa que os dois já sentiram.

Um comentário:

Evandro disse...

concordo...me identifico com vc.

Postagens populares