segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Mais uma chuva

Uma noite quente, ótima para curtir e relaxar. Relaxado, sossegado.

Uma roupa leve, apenas uma regata preta e uma calça branca.

Andando tranquilamente até que o tempo muda e uma chuva começa a cair. Enquanto vejo pessoas procurando abrigo e proteção eu continuo no mesmo ritmo. Sem fugir da chuva, apenas andando calmamente, sentindo a água refrescar meu corpo.

Sensação gostosa de estar em paz, com água refrescando meu corpo. Estar molhado da cabeça aos pés e adorar esta sensação.  Sem dar a mínima para quem possa ou não estar olhando.

Imerso em pensamentos (ou na falta deles) mal percebo um carro se aproximar lentamente de mim. Até porque estou com meu fone de ouvido, numa mistura entre andar e dançar sozinho. Viajando na música, viajando na minha mente.

Uma buzina e em seguida o carro estacionando logo depois de onde estou.

Tiro meus fones e sorrio quando te vejo sair do carro. A troca de olhares. O fato de perceber que seu olhar passeia pelo meu corpo molhado. Mordendo os lábios, me devorando a distância.

Distância esta que logo é inexistente quando você caminha em minha direção. O som do carro ligado. O mesmo ritmo que eu estava escutando sozinho. Sorrio a medida que você chega perto de mim.

Sorrio e te envolvo quando chega próxima a mim. Estamos na  rua. Estamos na chuva. E não nos preocupamos com nada.

Começamos a dançar. Do nosso jeito, da nossa maneira. Dançando um para o outro. Dançando juntos.

Você leva minhas mãos para o contato com sua cintura. Aperto você e sinto seu corpo encostar ainda mais no meu junto com um leve suspiro, em claro sinal de aprovação.

Te toco, te acaricio. Dedos percorrem você, lentamente. Provocando e testando seus limites.

Suas unhas arranhando meus braços molhados. Seu rosto encaixando a mim. Nariz grudado, lábios extremamente próximos, a uma distância ínfima de um beijo.

Nos esforçamos para continuar a dançar. O corpo segue a melodia. As pernas guiando, mas todo o restante querendo manter este contato, querendo aumentar o contato.

Visualmente nossos corpos denunciam o desejo mútuo. Mas só de estarmos perto, de sentir o calor um do outro já temos esta informação clara.

A chuva que cai não refresca. Ao contrário, parece que esquenta ainda mais. Que faz com que as roupas sejam a única coisa que separa nós dois de nos tornamos um só.

A música acaba. Tempo para um único olhar antes que o primeiro beijo aconteça. Natural, intenso e envolvente.

Rasga minha regata, deixando meu peito nu. Encosta no capô do carro e me puxa para cima de você.

E daqui pra frente, tudo que a imaginação permitir pode, deve e irá acontecer.....


Nenhum comentário:

Postagens populares